Concepções de um grupo de professores de Química sobre o ensino CTS e o reflexo em sua prática

  • Naãma Cristina Negri Vaciloto USP - SP - Programa Interunidades de Ensino de Ciências
  • Lilian Patricia Lima Unicamp – SP- Programa de Pós-Graduação Multiunidades em Ensino de Ciências e Matemática
  • Maria Eunice Ribeiro Marcondes USP - SP - Programa Interunidades de Ensino de Ciências
Palavras-chave: Abordagem CTS, Formação continuada de professores, Ensino de Química

Resumo

O currículo de Química do estado de São Paulo, implementado há 10 anos, apresenta a contextualização como um dos eixos preconizadores. Mas, para que o professor consiga compreender o documento e planejar o ensino é necessário que manifeste uma visão de contextualização que estabeleça a relação entre os conhecimentos científicos com as questões sociais e tecnológicas. Diante das várias perspectivas de contextualização, esse artigo tem como objetivo apresentar as concepções de um grupo de professores sobre o ensino CTS e o reflexo dessas na seleção de conteúdos para tratar o tema combustíveis fósseis. É uma pesquisa qualitativa de caráter participante, cujos resultados foram analisados pela técnica da análise de conteúdo. Participaram da pesquisa 10 professores de Química da rede estadual de ensino que se reuniram, durante um ano, na Universidade de São Paulo, em atividades de formação continuada. Os resultados indicam que os professores não conseguem se posicionar coerentemente frente às perspectivas de contextualização, concordando tanto com afirmações que sugerem a contextualização como exemplificação de fatos, quanto a contextualização como transformação da realidade social. Como consequência, é possível perceber a dificuldade em pensar nas relações CTS no momento de selecionar os conteúdos, levando à um ensino tradicional e com foco exclusivo no conhecimento científico.

Publicado
2019-10-16
Como Citar
Vaciloto, N., Lima, L., & Marcondes, M. (2019). Concepções de um grupo de professores de Química sobre o ensino CTS e o reflexo em sua prática. Indagatio Didactica, 11(2), 511-530. https://doi.org/10.34624/id.v11i2.6325
Secção
Desenvolvimento Curricular e Didática