Percepção dos participantes de um programa de atividades com uso de vídeo game em aulas de Educação Física

  • Fernanda Carolina Toledo da Silva Universidade Estadual Paulista
  • Lígia Maria Presumido Braccialli Universidade Estadual Paulista
Palavras-chave: Exergames, Programa de Atividades, Aluno com Deficiência Física, Triangulaçao de Dados

Resumo

Os exergames podem ser considerados uma poderosa ferramenta educacional nas aulas de
Educação Física. Neste sentido, o obejtivo deste estudo foi identificar a opinião do professor de
Educação Física e dos alunos de uma turma do ensino fundamental, que era formada por alunos
com desenvolvimento típico e um aluno com deficiência física, sobre um programa de atividades
com uso do vídeo game. Participaram do estudo uma turma de 4º ano do ensino fundamental I,
de uma escola da rede municipal de uma cidade do interior do Estado de São Paulo/Brasil, com
um aluno com paralisia cerebral matriculado e o professor de Educação Física que ministrava
aulas para esses alunos da turma com e sem deficiência. Foi elaborado e implementado um
programa de atividades com uso do video game. Os dados foram coletados por meio filmagem e
registro em diário de campo das aulas, entrevistas coletivas com os alunos ao final de cada aula,
entrevistas semiestruturadas com o professor de Educação Física e com o aluno com deficiência
física, , os dados foram triangulados. Com a realização do programa, a partir da opinião do
professor de Educação Física, do aluno com deficiência física e de sua turma, concluiu-se que o
programa motivou os alunos e, além de incentivar, permitiu a participação de todos.

Referências

Araújo, J. G. B., Batista, C, & Moura, D. L. (2017). EXERGAMES NA EDUCAÇÃO FÍSICA: UMA REVISÃO
SISTEMÁTICA. Movimento, 23 (2), abr-jun, 2017, 529-541.
Baracho, A. F. D. O., Gripp, F. J., & Lima, M. R. De. (2012). Os exergames e a educação física escolar na
cultura digital. Revista Brasileira de Ciências Do Esporte, 34(1), 111–126. https://doi.org/10.1590/
S0101-32892012000100009
Bezerra, A. F. S. (2010). Estratégias para o ensino inclusivo de alunos com deficiência nas aulas de
educação física. Tese Doutorado em Educação - Universidade Estadual Paulista. Marília, SP.
Cassiano, F., & Gomes, N. M. (2003). O deficiente visual no ensino regular, um estudo de caso em aulas
de educaçõ física. In M. C. Marquezine et al. Educação física, atividades motoras e lúdicas, e
acessibilidade de pessoas com necessidades especiais (125–134). Londrina, PR: Eduel.
Falkenbach, A. P., Diesel, D., & Werle, V. (2011). Experiências de inclusão nas aulas de educação física:
um olhar sobre a participação de alunos com deficiências. In J. F. Chicon & G. M. Rodrigues
Práticas pedagógicas e pesquisa em educação física escolar inclusiva. Vitória, ES: EDUFES.
Finco, M. D., & Fraga, A. B. (2012). Rompendo fronteiras na Educação Física através dos videogames
com interação corporal. Motriz. Revista de Educacao Fisica, 18(3), 533–541. https://doi.
org/10.1590/S1980-65742012000300014
Gibbs, B., Quennerstedt, M., & Larsson, H. (2017). Teaching dance in physical education using
exergames. European Physical Education Review 2017, 23(2) 237-256.
Martins, A. B. R., & Freire, E. D. S. (2013). O Envolvimento Dos Alunos Nas Aulas De Educação Física:
Um Estudo De Caso. Pensar a Prática, 16(3), 760–774. https://doi.org/10.5216/rpp.v16i3.19222
Medeiros, P. et al (2017). Exergames como ferramenta de aquisição e desenvolvimento de
habilidades e capacidades motoras: uma revisão sistemática. Rev. paul. pediatr., São
Paulo, 2017. Available from 05822017005008102&lng=en&nrm=iso>. access on 01 Nov. 2017. Epub Sep 21, 2017. http://
dx.doi.org/10.1590/1984-0462/;2017;35;4;00013
Moura Jr, A. (2006). O videogame nas aulas de Educação Física. Grupo de trabalho. Retrieved from
http://www.comunidadesvirtuais.pro.br/seminario2/trabalhos/archimedesjunior.pdf (1–4).
Palma, L. E., & Lehnhard, G. R. (2012). Aulas de educação física e inclusão: um estudo de caso com
a deficiência física. Rev. Educ. Espec., 25(42), 115–126.
Rocha, A. N. D. C. (2013). Recursos e estratégias da tecnologia assistiva a partir do ensino colaborativo
entre profissionais da saúde e educação. Tese Doutorado em Educação - Universidade
Estadual Paulista. Marília, SP.
Rodrigues Júnior, E., & Sales, J. R. L. (2012). Os jogos eletrônicos no contexto pedagógico da
educação física escolar. Faculdade de Educação Física …, 10(1), 70–82. Retrieved from http://
conexoes.fef.unicamp.br/ojs/index.php/fef/article/view/798
Rowland, J. L., et al. (2016) Perspectives on Active Video Gaming as a New Frontier in Accessible
Physical Activity for Youth With Physical Disabilities. Phys Ther. 2016, 96: 521–532
Silva, F. C. T., & Braccialli, L. M. P. (2017a). Exergames como recurso facilitador da participação
de aluno com deficiência física nas aulas de educação física: percepção do aluno. Revista
COCAR, Belém, 11(21), 184-208 – Jan./Jul. 2017.
Silva, F. C. T., & Braccialli, L. M. P. (2017b). Exergames em aulas de Educação Física: Triangulação entre
a percepção do professor, do aluno com deficiência física e sua turma. Atas - Investigação
Qualitativa em Educação – Congresso Ibero-Americano em Investigação Qualitativa -
CIAIQ2017. v.1, 816-825. Retrieved from http://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2017/
article/view/1402/1359
Silveira, G., & Torres, L. (2007). Educação física escolar: um olhar sobre os jogos eletrônicos. XV
Congresso Brasileiro de Ciências, 1–9. Retrieved from http://www.cbce.org.br/docs/cd/
resumos/157.pdf
Staiano, A. E., & Calvert, S. L. (2011). Exergames for Physical Education Courses: Physical, Social,
and Cognitive Benefits. Child Dev Perspect. 2011 June ; 5(2): 93–98. doi:10.1111/j.1750-
8606.2011.00162.x.
Triviños, A. N. S. (1987). Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em
educação. São Paulo: Atlas.
Tzanetakos, N., et al. (2017). Utilizing physically interactive videogames for the balance training of
adolescents with deafness within a physical education course. Journal of Physical Education
and Sport ® (JPES), 17(2), Art 93, 614 - 623, 2017.
Vaghetti, C. A. O., & Botelho, S. S. C. (2010). AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO
FÍSICA: uma revisão sobre a utilização de Exergames. Ciências & Cognição, 15(1), 64–75.
Retrieved from http://cienciasecognicao.tempsite.ws/revista/index.php/cec/article/view/292
Zhang, T., et al. (2016). Promoting Children’s Physical Activity in Physical Education: The Role of Active
Video Gaming. Journal of Teaching, Research, and Media in Kinesiology 2016; 1:1-13
Publicado
2017-03-13
Secção
Desenvolvimento curricular e didáctica