O processo ensino-aprendizagem em metodologia ativa: visão do professor no currículo integrado e por competência dialógica

  • Mara Quaglio Chirelli Faculdade de Medicina de Marília
  • Julia Volpi Nassif Faculdade de Medicina de Marília
Palavras-chave: metodologias ativas, educação em enfermagem, educação baseada em competências, docente, ensino

Resumo

Tendo como contexto as mudanças no mundo do trabalho e na formação do enfermeiro, no
Brasil, sinalizadas nas Diretrizes Curriculares Nacionais, em 2001, aponta-se a necessidade da
adoção de metodologias ativas na construção dos currículos. Objetivou-se analisar o processo
ensino-aprendizagem no currículo integrado e orientado por competência dialógica na visão
dos professores. Realizada pesquisa com abordagem qualitativa com 20 professores dos cenários
da Unidade de Prática Profissional (UPP), abarcando o Laboratório de Prática Profissional e
Apoio a Prática Profissional (APP), por meio de entrevista semiestruturada. Utilizou-se a Analise
de Conteúdo, modalidade temática na análise e interpretação dos dados. Identificamos dois
temas: a metodologia ativa a partir do cenário de prática e as potências e os desafios da prática
em metodologia ativa. Verificamos que os professores adotam a metodologia por meio do ciclo
pedagógico, na qual destaca-se a capacidade do facilitador ter habilidade na condução de
grupos no contexto pedagógico, de construir o processo de formação problematizando os
conteúdos a partir dos cenários de prática profissional, considerando as áreas de competência
do cuidado individual e coletivo, e a gestão para o cuidado. Para que essa prática ocorra
torna-se essencial a pactuação entre ensino e serviço para implementar o currículo integrado
e na matriz dialógica de competência. Destaca-se a necessidade de ampliar as investigações,
abordando as perspectivas dos usuários sobre os impactos dessa forma de construção de
conhecimento na comunidade.

Referências

BRASIL. (2001). Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação
Superior. Parecer CNE/CES nº 1.133, de 7 de agosto de 2001. Institui as Diretrizes Curriculares
Nacionais dos Cursos de Graduação em Enfermagem. Diário Oficial da República Federativa
do Brasil, Brasília (DF); 03 out. 2001. Seção 1, p. 131. Recuperado de: http://portal.mec.gov.br/
cne/arquivos/pdf/Enf.pdf
Alarcão, I. (2013). Reflexão crítica sobre o pensamento de D. Schön e os programas de formação
de professors. In: Alarcão, I. (organizadora). Formação reflexiva de professores: estratégias de
supervisão. (pp.11-39).Porto: Editora Porto.
Becerril, L. C., Porras, M. D. B, Gómez, M. A. J, Püschel, V. A. A., Rojas, A. M., & Ortega, J. L. (2016).
Presencia del pensamento reflexivo y crítico em los currículos de Enfermería em Iberoamérica:
uma visión cualitativa. Atas CIAIQ2016: Investigación Cualitativa em Educación, 1, 128-137.
Brighente, M. F., & Mesquida, P. (2016). Paulo Freire: da denúncia da educação bancária ao
anúncio de uma pedagogia libertadora. Pro-posições, 27(1), 155-177.
Carvalho, S. B. O., Duarte, L. R., & Guerrero, J. M. A. (2015). Parceria ensino e serviço em Unidade Básica
de Saúde como cenário de ensino-aprendizagem. Trabalho Educação e Saúde, 13 (1), 123-144.
Cecílio, L.C. O, Lacaz, F.A.C. (2012). O trabalho em saúde. (pp.74). Rio de Janeiro: CEBES. Recuperado
de: http://docplayer.com.br/15279777-N778i-cecilio-luiz-carlos-de-oliveira-o-trabalho-emsaude-
luiz-carlos-de-oliveira-francisco-antonio-de-castro-lacaz-rio-de-janeiro-cebes-2012.html
Chirelli, M. Q., Nassif, J.V. (2017). Metodologia Ativa no currículo por competência: processo,
facilidades e dificuldades. Atas CIAIQ 2017: Investigacão Qualitativa em Educação, 1, 518-529.
Chirelli, M. Q., Soares, M. M. O., & Pio, D. A.M. (2016). Competência dialógica: avaliação do
desempenho no currículo integrado. Indagatio Didactica, 8 (3), 109-123.
Conterno, S. F.R.; Lopes, R. E. (2016). Pressupostos pedagógicos das atuais propostas de formação
superior em saúde no Brasil: origens históricas e fundamentos teóricos. Avaliação, 21 (3), 993-1016.
Costa, R. R. O., Medeiros, S. M., Martins, J. C. A., Menezes, R.M. P., & Araújo, M. S. (2015). O uso da
simulação no contexto da educação e formação em saúde e enfermagem: uma reflexão
acadêmica. Revista Espaço para Saúde, 16(1), 59-65
Cruz, R. A. O., Araujo, E. L. M., Nascimento, N. M., Lima, R. J., França, J. R. F. S., & Oliveira, J. S. (2017).
Reflexões à luz da Teoria da Complexidade e a formação do enfermeiro. Revista Brasileira
Enfermagem, 70 (1), 236-239.
Deluiz, N. (1996). A globalização econômica e os desafios à formação profissional. Bol. Técnico
SENAC. 2(2). Recuperado de: http://www.senac.br/BTS/222/boltec222b.htm.
Eynon, M. J., O’Donnell, C., & Williams, L. (2016). Gaining qualitative insight into the subjective
experiences of adherers to an exercise referral scheme: a thematic analysis. Journal of Health
Psychology, 1-12.
Faculdade de Medicina de Marília. (2014). Necessidades de saúde 1: 1ª série dos Cursos de
Medicina e Enfermagem. Faculdade de Medicina de Marília. Marília. Recuperado de:
http//:www.famema.br.
Faculdade de Medicina de Marília. (2015). Necessidades de saúde 1: 1ª série dos Cursos de
Medicina e Enfermagem. Faculdade de Medicina de Marília. Marília. Recuperado de:
http//:www.famema.br.
Faculdade de Medicina de Marília. (2016). Necessidades de saúde 1: 1ª série dos Cursos de
Medicina e Enfermagem. Faculdade de Medicina de Marília. Marília. Recuperado de:
http//:www.famema.br.
Freire P. (2000). Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. (pp.114). São
Paulo: Paz e Terra.
Gerhardt T. E., & Silveira, D. T. (2009). Métodos de pesquisa. 1.ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS.
Higa, E. F. R., Taipeiro, E. F., Carvalho, M. H. R., Aguilar, R. H. S., Tonhom, S. F. R., & Hafner, M. L. B. M.
(2016). Avaliação do processo pedagógico em metodologia de aprendizagem ativa. Atas
CIAIQ2016: Investigación Cualitativa em Educación, 1, 270-278.
Ide, C. A., Arantes, S. L., Mendonça, M. K., Silva, V. R., & Del Corona, A. R. (2014). Avaliação da
implantação do currículo integrado no programa de graduação em enfermagem. Acta
Paulista de Enfermagem. 27(4): 340-347.
Holoway, I., & Wheeler, S. (2010). Qualitative research in nursing and healthcare. Oxford: Wiley-
Blackwell. Writing up qualitative research; Chapter 19.
Lalanda, M.C., Abrantes, M.M. (2013). O conceito de reflexão em J. Dewey. In: Alarcão, I.
(organizadora). Formação reflexive de professors: estratégias de supervisão. (pp.43-61). Porto:
Editora Porto.
Laluna, M. C. M. C. , Ferraz, C. A., & Ferreira, R. F. (2009). Os sentidos da prática avaliativa na formação
de enfermeiros. Revista Latino-Americana Enfermagem, 17(1), 207–215.
Lima, V. V. (2005). Competência: distintas abordagens e implicações na formação de profissionais
de saúde. Interface: comunicação, saúde, educação, 9(17), 369-379.
Lima, V. V., Feuerwerker, L. C. M., Padilha, R. Q., Gomes, R., & Hortale, V. A. (2015). Ativadores de
processos de mudança: uma proposta orientada à transformação das práticas educacionais
e da formação de profissionais de saúde. Ciência e Saúde Coletiva, 20(1), 279-288.
Lima, V. V. (2017) Espiral construtivista: uma metodologia de ensino-aprendizagem. Interface:
comunicação, saúde e educação, 21(61), 421-434.
Maranhão, E.A. (2003). Cconstrução coletiva das Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de
Graduação da Saúde: uma contribuição para o Sistema Único de Saúde. In: Almeida, M.J.
Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos universitários da área de saúde. Londrina:
Rede Unida.
Messas, J. T., Leonello, V. M., Gonçalves, G. C. C., Bucchi, S. M., & Mira, V. L. (2015). O ambiente
educacional do curso de Graduação em Enfermagem na perspectiva dos estudantes. Revista
da Escola de Enfermagem da USP, 49 (Esp2), 106-114.
Minayo, M. C. S. (2010). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. - São
Paulo: Hucitec, 2010.
Moreira, M. A. (2012). ¿Al final qué es aprendizaje significativo? Revista Qurriculum, La Laguna, 25,
29-56.
Morin, E. (2005). Introdução ao pensamento complexo. (pp. 120). Porto Alegre: Sulina.
Nóvoa, A. (2009). Professores Imagens do Futuro Presente. (pp. 95). Educa: Lisboa. Recuperado
de : http://www.colegiosantanna.com.br/formacao/downloads/Professores%20imagens%20
do%20futuro%20presente%20-%20Leitura%20Congresso%202015.pdf
Oliveira, K. R. E., & Braga, E. M. (2016). O desenvolvimento das habilidades comunicativas e a atuação
do professor na perspectiva do aluno de enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da
USP. 50(n.esp), 32-38.
Prado, M. L., Velho, M. B., Espíndola, D. S., Sobrinho, S. H., & Backes, V. M. S. (2012). Arco de Charles
Maguerez: refletindo estratégias de metodologia ativa na formação de profissionais de
saúde . Escola Anna Nery, 16 (01), [aprox.10 telas].
Rodrigues, J. A., Rocha, L. S., Anjos, D. S., Cavalcante, L. P. F., & Rozendo, C. A. (2013). Tendências
Pedagógicas: conflitos, desafios e perspectivas de docentes de enfermagem. Revista Brasileira
de Educação Médica, 37(3), 333-349.
Shulman, L. (1987) Knowledge and Teaching: Foundations of the New Reform. Harvard Educational
Review. 57 (1), 1-23. Recuperado de : http://hepgjournals.org/doi/10.17763/haer.57.1.j463w79r
56455411?code=hepg-site
Shulman, L.(2014). Conhecimento e ensino: fundamentos para a nova reforma.
Cadernos CENPEC, 4(2), 196-229.
Slomp Junior, H., Feuerwerker, L. C. M., & Land, M. G. P. (2015). Educação em saúde ou projeto
terapêutico compartilhado? O cuidado extravasa a dimensão pedagógica. Ciência & Saúde
Coletiva, 20(2), 537-546.
Sousa, A. T.O., Formiga N. S., Oliveira S. H. S., Costa M. M. L., & Soares, M. J. G. O. (2015). A utilização
da teoria da aprendizagem significativa no ensino da Enfermagem. Revista Brasileira de
Enfermagem. 68(4), 713-722.
Sousa, C. P., & Pestana, M. I. (2009). A polissemia da noção de competência no campo da educação.
Revista Educação Pública, 18(36), 133-151.
Tonhom, S. F. R., Moraes, M. A. A., Costa, M. C. G., Hamamoto, C. G.; Braccialli, L. A. D.; & Almeida
Filho, O. M. (2015). Unidade de Prática Profissional: percepção dos estudantes e professores
dos Cursos de Medicina e Enfermagem. 2015 Atas CIAIQ2015: Investigación Cualitativa em
Educación, 2, 80-85.
United Nations Educational Scientific and Cultural Organization. Unesco. (1998). World Declaration on
Higher Education for the Twenty-first Century: Vision and Action and Framework for Priority Action
for Change and Development in Higher Education, Adopted by the World Conference on Higher
Education. Paris. Recuperado de: http://unesdoc.unesco.org/images/0011/001163/116345e.pdf
Publicado
2017-03-13
Secção
Desenvolvimento curricular e didáctica