(Im)Pertinência das disciplinas pedagógicas nos cursos de Física, Matemática e Química do Ensino Superior: Qual a percepção de docentes, em atividade, sobre essa questão?

  • Paulo Alexandre de Castro Universidade Federal de Goiás – Regional Catalão
  • Adriana Sadoyama Universidade Federal de Goiás – Regional Catalão
  • Geraldo Sadoyama Universidade Federal de Goiás – Regional Catalão
  • Marcos Fernandes Sobrinho Instituto Federal Goiano – Câmpus Urutai
  • Paulo Vitor Souza Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano (IF Goiano)
  • Serigne Ababacar Cisse Ba Universidade Federal de Goiás – Regional Catalão
  • Susana Sá Universidade do Minho
  • Lisete Mónico Universidade de Coimbra
  • Thays Santos Souza Universidade Federal de Goiás – Regional Catalão
Palavras-chave: teorias pedagógicas, ensino, ciências exatas, Ensino Superior, docência

Resumo

Neste artigo avaliamos a percepção sobre (im)pertinência do conhecimento pedagógico formal
de docentes de Física, Matemática e Química da Universidade Federal de Goiás, Regional
Catalão (UFG/RC), Goiás-Brasil. Comparamos a percepção destes docentes de acordo com
sua área de atuação formação (conhecimento), sua formação pedagógica, sua titulação e do
tempo de experiência docente. Os resultados indicam que os docentes não percebem como
relevante possuir conhecimento formal de modelos e concepções pedagógicas, ou seja, não
julgam pertinente/necessário. Por fim, apresentamos uma discussão dos fatores percebidos como
mais importantes para a prática destes docentes.

Referências

Biggs, J. (1999). Teaching for quality learning at university. Philadelphia: Open University Press.
Brasil. (2000). Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais Ensino Médio/Diretrizes
Curriculares Nacionais para o Ensino Médio.
Brasil. (2012). Ministério da Saúde, Conselho nacional de Saúde. Resolução nº 466 de 12 dezembro
de 2012. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html
Castro, P. A., Sadoyama, A., Sadoyama, G., Sobrinho, M. F., Souza, P. V., Ba, S. A. C., Sá, S., Mónico,
L., & Souza, T. S. (2017). A (im)pertinência das teorias pedagógicas no ensino de Ciências
Exatas no Nível Superior. In: Atas - Investigação Qualitativa em Educação — 6.º Congresso
Ibero-Americano em Investigação Qualitativa/ 2nd International Symposium on Qualitative
Research, 2017, Salamanca- Espanha: Universidad de Salamanca, Vol 1: 1805-1814.
Ementa do curso de docência no Ensino Superior-Estágio Probatório. (2009) - Universidade Federal
de Goiás/Campus Catalão. Documento não publicado.
Franco, M. A. R. S. (2012). Pedagogia e Práticas Docente. São Paulo: Cortez. 240p. (1. ed.).
Inep. (2016). Instituto Nacional de Estudos e Estatísticas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da
Educação Superior 2016 – Notas Estatísticas.
Libâneo, J. C. (2005). Pedagogia e Pedagogos, para quê?. São Paulo: Cortez, 200p. (8. ed.).
Libâneo, J. C. (2015). Didática. São Paulo: Cortez, ePUB.
Snow, C. P. (1995). As Duas Culturas e uma segunda leitura: Uma Versão Ampliada das Duas Culturas
e a Revolução Científica, EDUSP.
Sokal, A. D., & Brickmont, J. (2006). Imposturas Intelectuais - O Abuso Da Ciência Pelos Filósofos Pós-
Modernos, Editora Record..
Publicado
2017-03-13
Secção
Desenvolvimento curricular e didáctica