Formação de aluno monitor: o funcionamento das salas de informática nas escolas públicas municipais de Santa Maria/RS

  • Eunice Pereira Azenha Universidade Federal de Santa Maria
  • Maritê Medianeira Moro Neocatto Universidade Federal de Santa Maria
  • Guilherme Giuliani Universidade Federal de Santa Maria
  • Karla Marques da Rocha Universidade Federal de Santa Maria
Palavras-chave: Aluno Monitor, Tecnologias Educacionais, Aprendizagem Colaborativa, WebQDA

Resumo

Este artigo apresenta uma pesquisa, que tem como temática principal a integração das
Tecnologias Educacionais em Rede na prática pedagógica dos professores municipais, a partir
da implementação do Projeto Aluno Monitor da Sala de Informática pelo Núcleo de Tecnologia
Educacional Municipal (NTEM), no município de Santa Maria, RS, Brasil.
Os principais objetivos da pesquisa são analisar o papel do aluno monitor como facilitador da
integração das tecnologias educacionais na prática dos professores que utilizam o ambiente
informatizado na escola, observar as transformações que poderão ocorrer nas relações que se
estabelecem entre aluno monitor e professor e a transformação da escola que acolhe o projeto.
Por meio da pesquisa-ação e com oficinas de formação continuada, ao longo de 2017, objetivou-se
incentivar e analisar as possíveis contribuições da formação do aluno monitor.
Para este trabalho foram analisados dados coletados em dois momentos quanto às percepções
dos alunos monitores sobre a formação oferecida pelo NTEM. A análise dos dados, com o apoio
do Software WebQDA, permitiu concluir que a formação pode contribuir para o desenvolvimento
de um perfil protagonista do aluno monitor, que se sente motivado a auxiliar na integração das
tecnologias educacionais no cotidiano escolar, inserindo a cultura da aprendizagem colaborativa
e a inclusão digital de alunos e professores da rede municipal de ensino.
A formação estimulou a utilização das tecnologias, perpassando pela apropriação,
aperfeiçoamento de competências, habilidades e atitudes que resultaram em mudanças do
aluno no papel de monitor, que ao querer aprender-ensinar-refletir-reaprender, constituiu-se um
voluntário na sala de informática da escola, sendo esta, possivelmente, a maior contribuição social
que a formação para o Aluno Monitor poderia almejar, ou seja, o empoderamento dos alunos
para a autonomia, o protagonismo e a cidadania.

Referências

Azenha, E. P.; Neocatto, M.M.M.; Giuliani, G.; Marques, K. da R. & Araújo, L.E.B.. (2017) O Projeto
Aluno Monitor da Sala de Informática nas Escolas da Rede Municipal de Santa Maria: Reflexos
de Uma Formação - Artigo apresentado no 6º CIAIQ 2017. Disponível: ciaiq.org/index.php/ciaiq2017/article/view/1523/1480>
BelloniI, M. L. & Bévort, E. (2009) Mídia-Educação: Conceitos, História e Perspectivas. Educação &
Sociedade, Campinas, vol.30, n.109, p. 1081-1102. Disponível:
Brasil. Ministério da Educação. (1997) Portaria n° 522, de criação do PROINFO.
______, Ministério da Educação – MEC (1997) Secretaria de Educação à Distância - SEED. Programa
Nacional de Informática na Educação – PROINFO – Diretrizes.
_______, Ministério da Educação. (2007) Decreto nº 6300, de criação do ProInfo Integrado.
Castells, M. (1999) Sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra.
Costa, A.C.G. (2000). Protagonismo juvenil: adolescência, educação e participação. Salvador:
Fundação Odebrecht.
Decreto Municipal Nº 313/07, de 20 de dezembro de 2007, define assessoramento pedagógico nos
termos da Lei 11.301/06.
Free Software Foundation. Disponível: < https://www.fsf.org/ >
Freinet, Célestin. (1974) O Jornal Escolar. Editorial Estampa. Disponível: wp-content/uploads/2015/06/o-jornal-escolar-freinet.pdf>
Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. www.fnde.gov.br
Gandolfo, M.A.P. (2006) Formação de Professores de Ensino Médio e (in)visibilidade de experiências
de protagonismo juvenil. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio
Grande do Sul.
Gomes, P. V. et al. (2002) Aprendizagem Colaborativa em ambientes virtuais de aprendizagem: a
experiência inédita da PUC-PR. Revista Diálogo Educacional – v. 3, nº 6, p. 11-27, maio/agosto,
2002.
Kenski, V. M. (2003) Tecnologias e Ensino Presencial e à Distância. Campinas/SP: Papirus.
Linux Educacional. Disponível:
Monereo, C. Prólogo. Aprender entre iguais e com iguais. In: Duran, D. & Vidal, V. Tutoria.
Aprendizagem entre Iguais. Porto Alegre: Artmed, 2007.
Moraes, M.C. (1997) O Paradigma Educacional Emergente. Campinas/SP: Papirus.
Moran, J. M. et al. (2000) Novas tecnologias e mediação pedagógica. 6. ed. Campinas: Papirus.
Sabbatini, R. M. E. (2007) Ambiente de Ensino e Aprendizagem via Internet: A Plataforma Moodle. O
que é Moodle? Disponível:
Thiollent, M. (2011) Metodologia da Pesquisa-Ação. 18ª ed. São Paulo: Cortez
Thiollent, M. & Oliveira, L. (2016). Participação, cooperação, colaboração na relação dos
dispositivos de investigação com a esfera da ação sob a perspectiva da pesquisa-ação. In:
Atas - Investigação Qualitativa em Ciências Sociais. v.3.
Torres, P. L. (2004) Laboratório on-line de aprendizagem: uma proposta crítica de aprendizagem
colaborativa para a educação. Tubarão: Ed. Unisul.
Tripp, D. (2005) Pesquisa-ação: Uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 3, p.
443-446. São Paulo.
Publicado
2017-03-13
Secção
Desenvolvimento curricular e didáctica