Combatendo as barreiras à comunicação em Inglês: prevenção de estereótipos e de atitudes negativas em relação à língua e cultura inglesas

  • Carmen Lucas Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Departamento de Letras, Artes e Comunicação & Universidade de Aveiro, Departamento de Línguas e Culturas
  • José Esteves Rei Universidade de Cabo Verde - DCSH
  • Maria de Fátima Mamede Albuquerque Universidade de Aveiro, Departamento de Línguas e Culturas
Palavras-chave: Educação, Ensino de Inglês no 1ºCEB, Manuais, CLIL, 4Cs, Língua e Cultura, Estereótipos

Resumo

Que tipo de sociedade desejamos para as gerações vindouras?’
Esta, é uma questão-chave, certamente presente na mente de pais e educadores (Samardžić-Marković, 2018). A Educação desempenha um papel essencial na construção do futuro e reflete o tipo de mundo para o qual queremos preparar as futuras gerações. Mais importante ainda, o princípio da democracia na educação é um valor fundamental para todas as sociedades. Este assume especial enfase devido ao fenómeno da globalização, que desencadeou a democratização do ensino da Língua Inglesa a níveis de escolaridade cada vez mais elementares, especificamente no que se refere ao Ensino de Inglês no 1º Ciclo do Ensino Básico, em contexto português, através do “Programa de Generalização do Ensino do Inglês no 1º Ciclo do Ensino Básico” aquando do Despacho nº 14 753/2005.
Embora outras línguas venham a adquirir uma importância crescente nas últimas décadas e a hegemonia da língua inglesa esteja em ampla discussão (Crystal, 2003; Mar-Molinero, 2004; Macedo & Gounari, 2006; Phillipson, 2013), a língua inglesa é a língua académica de excelência (Foyewa, 2015; Rao, 2018). Não obstante, de acordo com as directrizes do Conselho da Europa, a promoção da competência intercultural enquanto competência-chave do currículo é de extrema importância.
No entanto, um problema decorrente do ensino da língua inglesa no 1ºCEB é a desvalorização da dimensão cultural na planificação do currículo, permitindo desta forma a disseminação de atitudes negativas e estereótipos em relação à cultura e língua alvo.
O presente estudo tem como objetivo questionar em que medida os materiais didáticos de língua inglesa (manuais) demonstram as características do ‘Outro’ que fala Inglês, de que forma as crianças estão a aceder ao mundo-alvo, bem como averiguar quais as estratégias pedagógicas mais adequadas para proporcionar aos jovens alunos de Inglês os meios necessários para aceder o mundo-alvo?
Deste modo, o presente estudo tem por objetivo investigar as formas mais adequadas para desenvolver abordagens pedagógicas integradas inovadoras (Lasagabaster, 2009; Coyle, 2015), para promover a consciência intercultural e a prevenção de estereótipos.
A presente abordagem pedagógica para o ensino de inglês foi concebida tendo em conta a abordagem CLIL (‘Content for Language and Integrated Learning’) e os ‘4 Cs’: Content, Communication, Cognition and Culture’ (Coyle, 2005; Coyle, 2017) para reunir teorias de aprendizagem de línguas e compreensão intercultural. As principais metodologias utilizadas foram a investigação-ação, com recurso a livros de histórias em Inglês, CDs áudio contendo canções com o vocabulário-alvo a aprender e materiais preparados pelo investigador participante. Procedeu-se à gravação áudio de todas as aulas, tendo sido feita análise de conteúdo. Como resultados salientam-se a mudança de atitudes perante a aprendizagem da língua inglesa e a aprendizagem da língua inglesa, diminuindo deste modo o insucesso escolar a os estereótipos.

Publicado
2021-07-28
Secção
Desenvolvimento curricular e didáctica