Árvores monumentais como forma de contrariar o plant blindness: conceções das crianças antes e depois de atividades de ciência

  • Raquel Pires Lopes Centro de Investigação Didática e Tecnologia na Formação de Formadores (CIDTFF); Universidade de Aveiro
  • Catarina Schreck Reis Centro de Ecologia Funcional da Universidade de Coimbra Direção do Exploratório; Centro de Ciência Viva de Coimbra
  • Sofia Quaresma Câmara Municipal de Leiria
  • Paulo Renato Trincão Centro de Ciência Viva de Coimbra
Palavras-chave: arvoredo de interesse público, educação não-formal, envolvimento com plantas

Resumo

Diversas investigações têm evidenciado o declínio do interesse pelo estudo das plantas, não apenas em adultos como também em crianças e jovens, sendo a falta de reconhecimento da sua importância conhecido por plant blindness. Para contrariar esta tendência, foi desenvolvido o projeto «Joaquim Vieira de Natividade para crianças – da bolota à árvore», no sentido de estudar a influência nas atitudes e conhecimento das crianças sobre as plantas, focando as árvores monumentais da floresta mediterrânica. O projeto envolveu 273 crianças do 1º Ciclo do Ensino Básico, do município de Alcobaça e de Figueiró dos Vinhos, Centro de Portugal, em atividades de exploração sobre a Botânica, ao ar livre, em contexto de educação não formal.
Foram recolhidos e analisados dados qualitativos e quantitativos (desenho e entrevistas) para identificar as conceções que as crianças têm sobre as árvores monumentais, antes e depois do desenvolvimento das atividades. Após a intervenção, os resultados demonstraram que os desenhos das crianças refletiram árvores monumentais e/ou autóctones com um maior detalhe e as entrevistas uma maior diversidade de conceitos sobre a temática. O projeto mereceu destaque em diversos órgãos de comunicação social nacionais, o que sugere atribuição de relevância pela comunidade.

Publicado
2018-12-19
Secção
Desenvolvimento curricular e didáctica