Audio compression and speaker’s discrimination: perspectives for forensic phonetics in the Italian setting

  • Sonia Cenceschi University of Applied Sciences of Southern Switzerland (SUPSI)
  • Chiara Meluzzi University of Milan
  • Alessandro Trivilini University of Applied Sciences of Southern Switzerland (SUPSI)
Palavras-chave: Fonética forense, Identificação do locutor, percepção da fala, formantes vocálicos, Análise de áudio do WhatsApp

Resumo

Na fonética forense, o reconhecimento do falante é considerado uma investigação convencional. O objetivo deste artigo é analisar se, e em que medida, (1) a experiência dos avaliadores e (2) os estilos de leitura e de conversa espontânea influenciam a identificação dos falantes. A nossa análise é baseada em duas experiências de perceção diferentes. A primeira trata-se de um caso real em que as autoras desafiaram falantes com e sem experiência na área de áudio com o objetivo de comparar as duas vozes em arquivos de áudio curtos e de baixa qualidade, tendo obtido resultados muito fracos. A partir dos resultados da primeira experiência, as autoras realizaram uma segunda experiência em “laboratório”, tendo feito gravações da voz de uma falante de italiano em três modos diferentes - alta qualidade, áudio via WhatsApp e gravação de telefonemas, tanto para leitura, como para discurso espontâneo. Os dados obtidos foram usados num teste de perceção no qual foi solicitado aos respondentes para indicarem como cada amostra foi registada e especificarem se o falante era o mesmo. Os resultados desse segundo teste mostram que especialistas autodeclarados em análise ou transcrição de áudio se comportam de forma semelhante a ouvintes não profissionais e que a comparação é mais fiável para a conversa espontânea quando a qualidade das amostras é diferente. Este resultado confirma a necessidade de treinar adequadamente os profissionais, combinando a audição subjetiva com análises acústicas e linguísticas mais aprofundadas e tendo em consideração o estilo do discurso na gravação de ensaios de fala para efetuar análises comparativas.

Publicado
2021-12-20
Secção
Tecnologias da informação em educação